Rosário Pimentel – Mestre em Gerontologia Social

Nesta minha crónica de hoje , vou abordar o tema “A Importância da Fisioterapia na Promoção da Qualidade de Vida para os Idosos”.

O envelhecimento saudável é o resultado da integralidade multidimensional entre a saúde física, mental, independência na vida diária, socialização, suporte familiar e independência económica. Porém, há factores que causam o desequilíbrio dessa integralidade. O envelhecimento natural é um processo progressivo e contínuo, durante o qual, ocorre um declínio das funções fisiológicas, morfológicas e bioquímicas, refletindo-se intensamente na capacidade funcional do idoso.

Um envelhecimento bem-sucedido pode estar ao alcance da grande maioria da população, mas é crucial um investimento na prevenção e na intervenção para a promoção de saúde, ou seja, evitar na população sequelas incapacitantes.

Sendo certo o facto dos idosos viverem mais, podem tornar-se mais vulneráveis a desenvolver alterações funcionais. E decorrente dessa situação, surgem mudanças dos padrões de postura e de equilíbrio, e consequentemente, exposição a quedas. Essas tendem a gerar dependência funcional, bem como económica.

Publicidade

A Fisioterapia ajuda para que os idosos consigam superar as constantes ameaças ao seu equilíbrio, não só melhorando as suas capacidades funcionais como também na sensibilização dos mesmos no que concerne às suas limitações, e na sugestão de algumas alterações nas suas residências para lhes conferirem maior segurança, evitando as quedas.
A Fisioterapia tem como objetivo principal, a independência do idoso para a execução das atividades da vida diária, na ânsia de minimizar as consequências fisiológicas e patológicas do envelhecimento, garantindo a melhoria da mobilidade e contribuindo para uma qualidade de vida satisfatória.

A Fisioterapia como área do saber é considerada uma intervenção não farmacológica que envolve várias técnicas de terapias físicas locais ou globais.

A aplicabilidade da Fisioterapia e suas modalidades atingem uma gama acentuada de disfunções músculo-esqueléticas frequentemente presentes em pessoas da Terceira
Idade, sejam elas disfunções ortopédicas, reumáticas, neurológicas, cardiovasculares e/ou geriátricas.

A reabilitação física tem como objetivo principal a melhoria da amplitude do movimento (ADM), da força muscular, da mobilidade articular, das actividades da vida diária (AVDs), da vida profissional (AVPs), além da melhoria da auto-imagem e educação do utente.
A escolha da modalidade da Fisioterapia a ser utilizada depende basicamente da fase e disfunção apresentadas pelo utente avaliado.

Os tratamentos de Fisioterapia podem ser divididos em nível de intensidade, designadamente em tratamentos passivos e activos.

Os tratamentos passivos englobam os métodos de condução (calor e frio), a electroterapia, massagem, relaxamento, alongamento e imobilizadores (coletes, colares, entre outros), assim como as orientações gerais e específicas e a ergonomia.

Por sua vez, os tratamentos activos englobam a cinesioterapia, as técnicas especiais e orientações das AVDs e AVPs, as atividades desportivas, as ajudas técnicas, funcionais e auxiliares (cadeiras de rodas, bengalas, muletas, andarilhos, entre outros).

Os tratamentos de Fisioterapia podem ser necessários em qualquer fase da vida, porém no idoso tem uma importância não só de tratamento, como de prevenção, o que ajuda na melhoria da sua qualidade de vida.

Com o processo do envelhecimento e o surgimento de patologias que podem comprometer a autonomia e independência dos mais velhos bem como sua funcionalidade global, urge criar recursos não invasivos existentes na área da saúde, como a Fisioterapia, que podem contribuir para que os idosos tenham uma qualidade de vida adequada, ajudando-os a alcançar a longevidade com longevitalidade.

Na verdade, a Fisioterapia para os mais velhos tem como objectivo básico a promoção de saúde, procurando manter os anciãos com o máximo de capacidade funcional e independência física e mental no seio familiar, nas Instituições e na comunidade.

Percebe-se então, que os benefícios obtidos com a Fisioterapia para os idosos são inúmeros, pois permitem promover uma melhor performance física, motora e respiratória, as quais se reflectem em maior bem-estar físico, social e emocional, elevando assim a qualidade de vida deste grupo etário.

A Fisioterapia é uma área da saúde imprescindível na população idosa, na medida em que permite adiar a instalação de possíveis incapacidades, próprias do processo de envelhecimento, e tratar as alterações e os sintomas já surgidos.

Dito isto, a Fisioterapia é uma área importantíssima no processo de envelhecimento, podendo o fisioterapeuta contribuir, para além da reabilitação, na sensibilização da população idosa, exercendo o seu papel de agente promotor de saúde e colaborar para um envelhecimento bem- sucedido.

Termino esta crónica com uma poesia de Olavo Bilac com o título “ A Velhice “.

A Velhice

Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores moças, mais amigas
Tanto mais belas, quanto mais antigas
Vencedoras da idade e das procelas…

O homem, a fera e o insecto, à sombra delas
Vivem livres, da fome e de fadigas
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.

Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo. Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,

Na glória da alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

O envelhecimento da população é hoje um fenómeno global, verificando-se tanto nos
países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, levando
progressivamente a uma mudança da estrutura demográfica mundial. Estima-se que
dentro de poucos anos Portugal será um dos países da União Europeia com maior
percentagem de pessoas idosas.

A doença mental constitui um foco de morbilidade importante na população idosa,
encontrando-se uma prevalência significativa de perturbações depressivas e
Síndromes demenciais

Rosário Pimentel

 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui