Publicidade

Trinta guias-intérpretes de todo o país participaram, durante dois dias, em Lorvão, num curso sobre o quotidiano monástico no Mosteiro de Lorvão nos séculos XIII a XVI.

Tratou-se de uma iniciativa do Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, da Câmara Municipal de Penacova e da Associação Portuguesa dos Guias-Intérpretes e Correios de Turismo (AGIC).

Com este curso procurou-se dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitissem interpretar e contextualizar as vivências do quotidiano do Mosteiro de Lorvão, a partir de 1211 (data em que aí se instala a primeira comunidade cisterciense feminina portuguesa), a sua relação com o território e com os poderes que nele se cruzam e sob cuja proteção floresce durante a Idade Média.

Publicidade

Foram abordados aspetos relacionados com a arquitetura, a liturgia e a sua performance ou os livros que existiram no Mosteiro de Lorvão, bem como as figuras mais importantes que marcaram o mosteiro, as suas manifestações heráldicas (que aí ficaram bem patentes e que ainda hoje se podem admirar) e as vivências desta importante comunidade conventual.

O Município de Penacova congratula-se com a escolha do histórico e majestoso Mosteiro de Lorvão para a realização de tão importante iniciativa.

Publicidade

Artigo anteriorIdosa encontrada morta na sua casa em Palmazes, um dia antes do seu aniversário
Próximo artigoInvestigadora penacovense contribui para descobrir uma bactéria que pode justificar uma revisão dos métodos de prova de vinhos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui